PAI.

6:31 PM

Eu não sei quando eu comecei a falar "papai" ou quando eu comecei a entender que sempre que houvesse perigo por perto, era na sua direção que eu deveria correr. Não me lembro de quando descobri seu nome, de quando entendi que você amava me dar bonecas, me ver fantasiada de princesa ou o porquê de você sempre amolecer um pouquinho quando eu ficava doente. Eis aqui algumas coisas que eu realmente me lembro bem; você acordava toda manhã pra esquentar minha mamadeira, deitava todas as noites comigo para cantar "boi da cara preta" e contar as histórias que às vezes me faziam chorar e despertavam esse meu lado manteiga.


Por anos você, apesar desse seu jeito mandão, me ensinou que nenhum menino ou menina tinha o direito de me deixar para baixo e que eu devia ser sempre a Anita, do meu jeito, a minha maneira. Acredito que eu também tenha te ensinado muitas coisas, diminuído um pouco desse machismo que você herdou do seu pai e explicado que não tem problema usar batom ou pintar as unhas de vermelho.


Essa talvez seja a coisa mais linda e fascinante sobre a vida, ensinamos e aprendemos a amar, respeitar e aceitar os defeitos. Temos nossas brigas, nossos bate bocas mas precisamos disso, não seríamos nós se não fosse assim. E o mais importante é saber do seu apoio, do meu potencial e que juntos nós formamos uma dupla e tanto pai. Muito obrigada pelos momentos simples e inesperados, que sempre estarão marcados em mim pela eternidade. Te amo.


You Might Also Like

0 comentários